quarta-feira, 21 de outubro de 2020

Tempos de omissão .....



Vivemos na Terra tempos muito difíceis. A maldade de alguns indivíduos é audaciosa e intimidadora. Parece que a humanidade está retrocedendo aos tempos de barbárie e nada se pode fazer para deter esse estado de coisas. Em quase todos os setores da sociedade vamos encontrar vestígios da violência em suas mais variadas expressões. 

E por que isso acontece? Será que a humanidade é formada, em sua maioria, por pessoas más? Onde estão as pessoas de bem? Em O Livro dos Espíritos, Allan Kardec propôs a seguinte questão aos Sábios do espaço: por que, no mundo, tão amiúde, a influência dos maus sobrepuja a dos bons? E os benfeitores responderam: "por fraqueza destes. Os maus são intrigantes e audaciosos, os bons são tímidos. Quando estes o quiserem, preponderarão." 

A resposta nos faz perceber claramente porque a humanidade está como está. Os maus são intrigantes e audaciosos e por isso intimidam os bons. A timidez dos bons é a grande responsável pelo atual estado de coisas da nossa sociedade terrena. Impressionante como as pessoas de bem se deixam levar por essa onda de violência intrigante. 

O depoimento de algumas pessoas publicado em uma revista de grande abrangência em nosso país, por ocasião do atentado na Rússia, fala-nos dessa realidade. Uma mãe chegou a desabafar: "diante de tantas atrocidades cometidas contra nossas crianças, só me resta pedir desculpas aos meus filhos. 

Coloquei-os no mundo e agora não tenho como protegê-los de tanta violência." É compreensível o desespero dessas pessoas, pois esse é o efeito esperado e premeditado pelos maus. E quando falamos dos maus não nos referimos unicamente aos terroristas. 

Existem muitos indivíduos maus se aproveitando dessas situações. O pavor e o desespero gerado na população é o componente perfeito para a ação dos maus. Um povo intimidado, desesperado e impotente é tudo o de que precisam os que querem tirar proveito disso. 

No entanto, os benfeitores espirituais, que percebem a realidade de um ponto de vista abrangente, sabem que a solução depende dos bons, ao afirmarem: "quando estes o quiserem, preponderarão." 

Só que muitos dos que se dizem bons, e alguns religiosos de várias crenças estão ocupados em defender o seu "bem" exclusivo, atirando fora todo bem que não seja praticado pelos de sua religião. Ou os bons assumem a sua bondade, ou não são bons. Jesus jamais se omitiu diante de qualquer situação. Sempre se posicionou favorável ao bem, sem se importar com quem o praticava. 

Em resposta aos discípulos que haviam proibido um homem que expulsava os demônios em nome de Jesus mas não o acompanhava, Jesus disse-lhes, com sabedoria: "não o proíbam, porque quem não é contra nós, é por nós". Isso é levantar a bandeira do bem acima de tudo. 

O bem é o bem. Isto apenas. Quem prega o contrário, não pode estar movido por boas intenções. São chegados os tempos em que precisamos assumir a nossa posição. Precisamos mostrar de que lado estamos: do lado de Deus ou de Mamom. Em tempos de tanta violência, corrupção e falta de ética, não temos o direito de permanecer em cima do muro. 

Precisamos nos decidir. Se dizemos confiar em Deus, é momento de assumir essa confiança. A confiança de que toda árvore que nosso pai não plantou será arrancada, conforme ensinou Jesus. E a violência certamente não é árvore plantada pelo Criador. Portanto, é hora de fazer luz. 

É hora de somar as boas qualidades e fazer valer o bem que desejamos. É hora de altear bem alto a bandeira do bem, para que o bem sobrepuje o mal. Para que a luz afugente as trevas. Pense nisso e considere que basta apenas querer. 

Fonte: Equipe de Redação do Momento Espírita, com base na questão 932 de O Livro dos Espíritos e no Evangelho de Lucas

sexta-feira, 11 de setembro de 2020

Definições.....


Saudade é quando o momento tenta fugir da lembrança para acontecer de novo e não consegue. 

Lembrança é quando, mesmo sem autorização, seu pensamento reapresenta um capítulo. 

Angústia é um nó muito apertado bem no meio do sossego. 

Preocupação é uma cola que não deixa o que ainda não aconteceu sair de seu pensamento. 

Indecisão é quando você sabe muito bem o que quer, mas acha que devia querer outra coisa. 

Certeza é quando a idéia cansa de procurar e para. Intuição é quando seu coração dá um pulinho no futuro e volta rápido. 

Pressentimento é quando passa em você o trailer de um filme que pode ser que nem exista. 

Vergonha é um pano preto que você quer pra se cobrir naquela hora. 

Ansiedade é quando sempre faltam muitos minutos para o que quer que seja. 

Interesse é um ponto de exclamação ou de interrogação no final do sentimento. 

Sentimento é a língua que o coração usa quando precisa mandar algum recado. 

Raiva é quando o "cachorro" que mora em você mostra os dentes. 

Tristeza é uma mão gigante que aperta seu coração. 

Felicidade é um agora que não tem pressa nenhuma. 

Amizade é quando você não faz questão de você e se empresta pros outros. 

Culpa é quando você cisma que podia ter feito diferente, mas, geralmente, não podia. 

Lucidez é um acesso de loucura ao contrário. 

Razão é quando o cuidado aproveita que a emoção está dormindo e assume o mandato. 

Vontade é um desejo que cisma que você é a casa dele. 

Paixão é quando apesar da palavra ¨perigo¨ o desejo chega e entra. 

Amor é quando a paixão não tem outro compromisso marcado. Não... Amor é um exagero... também não. Um dilúvio, um mundaréu, uma insanidade, um destempero, um despropósito, um descontrole, uma necessidade, um desapego? 

Talvez porque não tenha sentido, talvez porque não tenha explicação, Esse negócio de amor não sei explicar. 


Autoria : Mário Prata

quinta-feira, 20 de agosto de 2020

Em que Deus eu creio ?



Quando se pergunta a uma pessoa se ela crê em Deus, a resposta, com raras exceções, é afirmativa. Sim, ela crê em Deus.

Estranhamente, embora o expressivo número de pessoas que dizem crer em Deus, é igualmente expressivo o número dos desencantados, depressivos, desesperados.

Como se pode explicar que crendo em Deus, Pai amoroso e bom, que tudo vê, tudo sabe, tudo faz, a pessoa possa cair no poço da desesperança?

Talvez a resposta esteja na forma como cremos em Deus, ou somos levados a crer.

Albert Einstein, certa vez, em Nova York, num diálogo com o Rabino Goldstein, foi indagado se acreditava em Deus.

- Ele respondeu:

Tenho a origem judaica arraigada em meu interior. Acredito no Deus de Spinoza, que revela a harmonia em tudo o que existe. Não acredito, porém, que Deus se preocupe pela sorte das ações cometidas pelos homens.

Por causa desta declaração muitas polêmicas foram geradas entre Albert, físicos e religiosos. Muitos se apegaram a sua declaração para desenvolver protestos sobre as suas teorias.

Religiosos se manifestaram, dizendo que a Teoria da Relatividade deveria ser revista. Diziam que por trás de toda a controvérsia daquele físico, estava o terrível fantasma do ateísmo.

Que ele disseminava dúvidas com relação à presença de Deus sobre a criação de todo o Universo e as criaturas.

A resposta do físico foi serena, embora para muitos tenha continuado incompreensível.

Ele dizia que sua religião consistia na admiração pela humildade dos Espíritos superiores, pois esses não se apegam a pequenos detalhes, ante os nossos Espíritos incertos.

Dizia: Por esse motivo racional, diante da superioridade desse Universo, é que localizo e faço a idéia de Deus. Não sou ateu.

Quem quer deduzir isso das minhas teorias científicas, não fez por entendê-las.

Creio pessoalmente em Deus e nunca em minha vida cedi à ideologia ateia. Não há oposição entre ciência e religião.

O que há são cientistas atrasados, com ideias que não evoluíram, com o passar do tempo.

Vejo na experiência cósmica uma religião nobre, uma fonte científica para profundas pesquisas.

Procuro entender cada estrela contida nesse imenso Universo, que não é material.

Quem assim não procede, sentindo essa estranha sensação de querer levitar no infinito, realmente não sabe viver, porque está morto, diante de tanta beleza divina.

Há muitas formas de o ser humano crer em Deus. Há, para muitos, o Deus jurídico, legislador, agente policial da moralidade, que, através do medo, estabelece essa distância da verdadeira crença.

Deus está em todas as minhas teorias e invenções. Ele está presente em tudo e creio que em todos, até nas formas mais primitivas.

Essa é a minha religião e o Deus em que creio.

* * *

Se assim dizia, assim viveu. Albert Einstein foi o exemplo do cristão autêntico, preocupando-se, de forma constante, com seu semelhante.

Ainda dois anos antes de sua desencarnação, foi comemorado seu aniversário numa grande festa pública.

Tudo o que lhe foi dado como presentes, Albert transformou em dinheiro e enviou para os fundos da Faculdade de Medicina Albert Einstein.



Fonte: Momento Espírita, com base em dados biográficos de Albert Einstein.

sexta-feira, 31 de julho de 2020

Arco-iris, a amizade entre as cores que dura até hoje e durará para sempre

                      

Houve uma vez que as cores do mundo começaram uma disputa entre si. Cada uma reivindicava para si que era a melhor. A mais importante. A mais útil. A favorita.

- A cor verde disse:

- "Claro que sou a mais importante. Eu sou sinal de vida e de esperança. Eu fui a escolhida para grama, árvores e folhas. Sem mim, morreriam todos os animais. Examine o campo e verá que sou maioria".

- A cor azul interrompeu:

- "Você só pensa na terra, mas deve considerar o céu e o mar. A água é a base de vida e é retirada pelas nuvens do mar profundo. O céu dá espaço e paz e serenidade. Sem minha paz, você não seria nada".

- O amarelo riu:

- "Você é sempre tão séria. Eu trago risada, alegria, e calor para o mundo. O sol é amarelo, a lua é amarela, as estrelas são amarelas. Toda vez que se olha para um girassol, o mundo inteiro começa a sorrir. Sem mim não haveria nada divertido".

- Laranja, estando próximo, colocou a boca no trombone:

- "Eu sou a cor da saúde e força. Eu posso estar escassa, mas eu sou preciosa porque eu sirvo as necessidades da vida humana. Eu levo as vitaminas mais importantes. Pense em cenouras, abóboras, laranjas e mamões. 

Eu não fico vadiando o tempo todo, mas quando eu encho o céu ao amanhecer ou no pôr-do-sol, minha beleza é tão impressionante que ninguém mais pensa em qualquer uma de vocês".

- Vermelho não agüentou por muito tempo e gritou:

- "Eu governo todos vocês. Eu sou sangue - o sangue de vida!

Eu sou a cor de perigo e de coragem. Eu estou disposto a lutar por uma causa. Eu trago fogo no sangue. 

Sem mim, a terra estaria tão vazia quanto a lua. Eu sou a cor da paixão e do amor".


- Rosa já cheia de tudo, falou com grande pompa:

- "Eu sou a cor da realeza e do poder. Reis, chefes, e bispos sempre me escolheram porque eu sou sinal de autoridade e sabedoria. As pessoas não me questionam! Elas escutam e obedecem ".

- Finalmente índigo, muito mais calma que todas as outras, mas da mesma maneira e com muita determinação

- "Pensem em mim. Eu sou a cor do silêncio. Vocês nem sempre me notam, mas sem mim todos vocês ficam superficiais. Eu represento o pensamento e a reflexão, crepúsculo e água profunda.

Vocês precisam de mim para o equilíbrio e para o contraste, para a oração e para a paz interior".

E assim as cores se ostentavam, cada uma se convenceu de sua superioridade. 

A disputa cada vez mais acirrada.

De repente um flash surpreendente de um trovão iluminou tudo. A chuva verteu implacavelmente. 

As cores se encolheram de medo, enquanto procuravam ficar perto uma da outra.

 No meio do barulho, a chuva começou a falar:

- "Você cores tolas, lutando entre si, cada uma tentando dominar as outras. Vocês não sabem que cada cor traz um propósito especial, nem igual e nem diferente? Dêem as mãos e venham a mim".

Fazendo como lhes fora dito, as cores se uniram e deram-se as mãos.


A chuva continuou:

- "De agora em diante, quando chover, cada uma de vocês se estirará pelo céu em um grande arco de cor para lembrar que se pode viver em paz. Criarão o arco-íris. E o arco-íris será sempre um sinal de esperança".

 E assim, sempre que uma boa chuva lava o mundo, um arco-íris aparece no céu, mostrando a amizade entre as cores que dura até hoje e durará para sempre.

quarta-feira, 1 de julho de 2020

Questão de consciência ......





                         


                           









                              




segunda-feira, 8 de junho de 2020

O destino coloca as pessoas em nossas vidas, as atitudes decidem quem fica


Aprendi....que ninguém é perfeito enquanto não se apaixona. 

Aprendi....que a vida é dura mas eu sou mais que ela!! 

Aprendi que...as oportunidades nunca se perdem aquelas que desperdiças... alguém as aproveita 

Aprendi que... quando te importas com rancores e amarguras a felicidade vai para outra parte. Aprendi que... devemos sempre dar palavras boas... porque amanhã nunca se sabe as que temos que ouvir. 

Aprendi que...um sorriso é uma maneira econômica de melhorar teu aspecto. 

Aprendi que... não posso escolher como me sinto... mas posso sempre fazer alguma coisa. 

Aprendi que...quando o teu filho recém-nascido segura o teu dedo na sua mão tenta prendê-lo para toda a vida 

Aprendi que...todos, todos querem viver no topo da montanha... mas toda a felicidade está durante a subida. 

Aprendi que... temos que aproveitar da viagem e não apenas pensar na chegada. 

Aprendi que...o melhor é dar conselhos só em duas circunstâncias... quando são pedidos e quando deles depende a vida. 

Aprendi que...quanto menos tempo se desperdiça... mais coisas posso fazer. Esta é a semana da amizade e do amor !